segunda-feira, 8 de março de 2010

Pet reciclada vira telhado de alta resistência e baixo custo.

De todas as “pragas” urbanas que poluem o planeta, o plástico pet é uma das piores. São produzidas, no mundo, vinte seis milhões de toneladas de garrafas pet por ano.

O Brasil participa deste mercado com nove milhões de toneladas / ano e recicla quase 55% disso. A maior parte do pet reciclado vai para a indústria têxtil. O Brasil até exporta fio de PET reciclado para China que também o usa na sua própria indústria têxtil. Como o custo do pet reciclado é até 20% menor do que o do pet original, o mercado para produto reciclado vem se ampliando rapidamente. O pet reciclado adquire diversas formas (pallets, fio, etc) e pode ser utilizado em relógios, vassouras, enchimento de bichos de pelúcia e muitos outros usos que ainda serão inventados. Um exemplo desta criatividade vem de Manaus, capital do Amazonas.

A empresa amazonense Telha Leve desenvolveu e fabrica um tipo de telha a partir do pet reciclado que substitui com vantagens aquelas de barro ou argila. Embora o produto em si seja mais caro que a telha tradicional, nas contas gerais da obra, sai mais barato usar a telha de plástico, porque, sendo mais leve, barateia em até 60% o custo total da estrutura. Um telhado convencional custa em torno de 10 mil reais. Com as telhas de pet, este custo poderia cair para até 3, 5 mil reais.

A vida útil de um telhado assim é de quase 50 anos. Mas, se a telha receber resina de poliuretano, o telhado pode durar dez ou quinze anos mais. Entre as principais características das telhas plásticas estão a resistência a temperaturas até 85 graus Celsius e ao ressecamento; elas são “fogo retardantes”, isto é, queimam, mas não propagam as chamas; a fixação feita por meio de de abraçadeiras de nylons especiais, o que protege contra ventos fortes; o telhadista pode andar no telhado, sobre o ripamento de sustentação, mesmo procedimento de qualquer telhado. Além disso, a inclusão de aditivos anti-raios ultra violeta (uv) permite maior combate à radiação solar.

O principal, no entanto, é que utiliza um terço da matéria-prima necessária à fabricação das telhas de barro e não há desmatamento de florestas ou queima da lenha nos fornos.

A Telha Leve trabalha com pet recebido de cem cooperativas da região de Manaus, contribuindo para promover a inclusão social dos catadores na vida econômica e na cidadania. Perto de 400 pessoas trabalham para estas cooperativas. A Telha Leve paga 800 reais por tonelada de pet.

A fábrica tem capacidade para reciclar 24 toneladas /dia de pet, mas só consegue receber dos catadores 80 toneladas / mês (menos de 3 toneladas por dia). Se houvesse mais organização e até logística, garantindo uma entrega mínima de matéria-prima diariamente, fábricas de telhas poderiam ser instaladas em várias cidades.

A empresa que fabrica este tipo de telha foi fundada em 1997 em Manaus, onde se localiza até hoje. Mas tem rede de distribuidores em todo o país. Tem 28 funcionários fixos e 400 trabalhando na cadeia produtiva. O faturamento está estimado em quase 1,5 milhão de reais por ano.

Já existem casas populares, supermercados, escolas e lojas em cujo telhado foram utilizadas as telhas de pet. Elas estão disponíveis em todas as lojas de material de construção.

Para desenvolver o projeto, o engenheiro Luis Antônio Formariz contou com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), com apoio da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia (Sect), da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan), da Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) e do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AM).

8 comentários:

  1. ola,meu nome e carlos alberto fiz uma pesquisa ,sobre estas telhas de garrafas pet ,elas saõ quase 3 vezes mas caro que as telhas de barros,o meu telhado tem 180 metros,quadrado,com telhas americanas eu usaria 3100,telhas de barro(2,600 reais,com telhas de garrafas pet,usaria 1080 telhas com um custo de 10.000 mil reais emtaõ neste caso telha ecologicas esta mas cara que as telhas feitas de cimento e ceramicas de alticima linha.

    ResponderExcluir
  2. será que não existe um meio de usar essas garrafas apenas cortando e encaixando? seria muito útil.

    ResponderExcluir
  3. Seria muito útil um esquema de cortar e montar as garrafas pet para fazer uma cobertura rústica.

    ResponderExcluir
  4. Esse telhado é feito de produtos tão barato
    e que agora esta saindo caro...

    ResponderExcluir
  5. Marcelo Guimarães; guimaraes_mar@hotmail.com12 de outubro de 2010 17:28

    Mas para um Industria que usa esse tipo de telhado pode até conseguir um credito de carbono, por usar na sua contrução materiais reciclaveis.
    O ganho é a longo prazo.

    ResponderExcluir
  6. É parece que o material é bom, mas tenho uma dúvida, se por acaso cair uma bucha de balão acesa em cima da telha ,ela pegará fogo ou resistirá? e se o fogo se alastrar a estrutura que sustenta as telhas geralmente são de madeira. e aí?

    ResponderExcluir
  7. Em relação à cair uma "tocha" de balão ainda com fogo a telha até pode pegar fogo, mas neste caso a estrutura é de ferro, e acho que não sofreria tanto assim.....

    ResponderExcluir

Este é um blog para todos! Deixe o seu comentário aqui e ele se tornará um post após a categorização do moderador.
Obrigada.